sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

!romA


Meu seio é infértil:

Região árida,

Gélido e duro.

Como pôde nele brotar uma flor?


Não a reconheço

Como parte de mim.

Não a vejo. Não a sigo.

Nem sei qual o seu perfume.


Mas ela está lá...

Sua serenidade me atormenta.

Não consigo compreendê-la.


E num suspiro...

Sinto-a falar comigo...

Assim a vida me fez.









Stephanie S. (2006)

Um comentário:

Pablo Barbosa disse...

Bonito soneto... Assim a vida me fez... ela te falou... muito interessante também onde essa flor foi nascer..

Postar um comentário